{ "data": [ { "event_name": "Purchase", "event_time": 1649966212, "action_source": "email", "user_data": { "em": [ "7b17fb0bd173f625b58636fb796407c22b3d16fc78302d79f0fd30c2fc2fc068" ], "ph": [ null ] }, "custom_data": { "currency": "BRL", "value": 180 } } ] "test_event_code:" "TEST4457" }
top of page

O PIOR MEDO É O MEDO DE VIVER

Atualizado: 21 de jul. de 2022

As pessoas são muito imaturas quando se trata do encontro com o real, o encontro com o indizível. E são imaturas porque mamãe ficava falando tudo, mamãe ficava fazendo tudo, a mamãe sempre ficava indicando o caminho. E a pessoa não aprendeu a ler os sinais, a errar, a subir as escadas, a cair e tentar levantar, a falar aquela língua que liberta. Por exemplo, eu tenho um caso de um sujeito que sofria de muito pânico, e foi acumulando isso durante a vida e isso, para ele, foi aumentando.... Ele tinha horror se marcasse uma hora para um determinado compromisso e não se cumprisse, se mudasse o projeto, se houvesse qualquer mudança. E não era só isso: tinha pavor do próprio pânico, tinha pavor de avião, tinha pavor de ficar sozinho.

O que acontece com uma pessoa assim? Ela vive num duto muito estreito que garante a integridade dela, porque, se faltar, se mudar o caminho, ela acha que vai se desintegrar. O psicanalista, por exigência da profissão, ele já se desintegrou há muito tempo e já, então, ele fica troçando com as palavras (porque, se ele voltou, é porque ele não perdeu a guerra – ainda!). E a gente aprende assim: a gente perde, ganha, e vai tentando. A gente estuda, aprende e vai se modificando. Vocês vejam Gilles Deleuze, que foi um filósofo importante e que se suicidou em função de uma grave doença de pulmão. Ele morria de medo de avião, mas isso não o impediu de ser um grande filósofo. Às vezes, o próprio sintoma, seja esse medo que a pessoa produz, pode fazer a pessoa produzir coisas; o medo nem sempre é paralisante. Agora, o caso que eu contava era o seguinte: o sujeito era tão apavorado que a esposa morreu e ele, ato continuum, casou-se de novo, literalmente com a primeira que apareceu. Se não fosse isso, ele estaria a ponto de (psicologicamente) se esfacelar. Por que eu falo isso? As pessoas são muito carentes da figura da mamãe e muitas pessoas fazem maus negócios porque têm medo da existência. E é tão fácil ter medo porque é apavorante. Nasceu! Dançou! Tem alguma coisa que nunca vai ser compreendida; chama-se mistério – morte versus vida.


O pior medo é o medo de viver, pois viver é errar; errar no sentido etimológico, de não saber o caminho, mas criá-lo à medida que se caminha, ao se conhecê-lo, desconhecendo-o, por isso mesmo. Viver é desgarrar-se cada vez mais do útero e do discurso materno que vem agregado a essa proteção do eterno. Mas há pessoas que vivem eternamente presas dele, sendo tudo mais puro terror a ser evitado a todo custo. Viver é errar, acertando qualquer caminho.


Carlos Mario Alvarez




2.981 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page